Entre em contato conosco

(16)99756-7494 | (16)3625-0465

Ricardo Aguiar vive expectativa de ver caratê em Tóquio 2020


(Foto - Geraldo de Paula / CBK )

 

 

Definição sairá nesta quarta-feira,3, na 129ª Sessão do COI 

 

 

O mês de agosto de 2016 ficará marcado para sempre na história do esporte brasileiro e mundial. Pela primeira vez, os Jogos Olímpicos serão realizados em um país da América Latina, tendo como cidade sede o Rio de Janeiro, entre os dias 5 e 21. Porém, para o caratê, em especial, o momento tende a ser um marco na história da modalidade.

 

As reuniões que definirão o ingresso dessa e de outras quatro modalidades na próxima edição das Olimpíadas, em 2020 na cidade de Tóquio, serão realizadas entre nesta quarta-feira, 3, durante 129ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional (COI), no Rio de Janeiro, às vésperas dos Jogos.

 

Para o ribeirão-pretano Ricardo Aguiar, que é técnico da Seleção Brasileira, a expectativa para a confirmação na modalidade em Tóquio 2020 é grande. No início de junho, o Comitê Executivo do COI oficializou o apoio à inclusão dos novos esportes. Além do caratê, surf, skate, basebol/softbol e escalada estão cotados.

 

 “Depois de tanta espera, chegou o momento. A ansiedade é bem grande, pois estamos perto de fazer história com o caratê. Nunca houve uma chance tão grande, ainda mais pelo fato de os próximos Jogos serem no Japão, berço desse esporte”, comenta.

 

Se o resultado realmente for positivo para o caratê, as competições daqui quatro anos ocorrerão em seis categorias, entre kata e kumitê, masculino e feminino. A estimativa é de que 90 atletas participem dos Jogos.

 

Para Aguiar, o Brasil já começará, logo nos primeiros meses, o planejamento para 2020. Atualmente, o país ocupa a sexta colocação no ranking mundial e é soberano na América, já que venceu as últimas edições do Pan-Americano e do Sul-Americano. Em 2015, nos Jogos Pan-Americano de Toronto, campeonato que faz parte do ciclo olímpico, a Seleção conquistou o título geral.

 

“Todo nosso planejamento será feito para conseguirmos a tão sonhada medalha olímpica. Estamos com uma equipe de base muito forte, além de atletas no adulto que terão idade para competir em alto nível daqui quatro anos. O nosso foca será para manter a preparação em alto nível, já que será inclusa no calendário a competição pré-olímpica, que dará vagas aos Jogos. Precisamos chegar bem lá para conseguirmos nossos lugares no Japão”, disse.

 

Enquanto aguarda a decisão do COI, Aguiar e os atletas da Seleção seguem em preparação para o Campeonato Mundial em Linz, na Áustria. A competição será em outubro. Antes, porém, as categorias de base disputam o Pan-Americano, no fim de agosto, em Guayaquil, no Equador.